Minha coleção de dvds

Loading...
Tecnologia do Blogger.

Siga-nos

Siga-nos, com o Google+

domingo, 15 de junho de 2014

As maiores Gafes do Cinema(Filmes Históricos)

destaque
Você gosta de filmes históricos? Acha que eles são informativos, bem ambientados e que ajudam as pessoas a conhecerem melhor as origens da época e das coisas atuais? Bom, se você é desses (românticos) vai levar o maior susto ao ler essa matéria que o Macaco Velho preparou.
Isso porque, na lista abaixo, estão enumerados as maiores gafes históricas do cinema, aquelas que as produções hollywoodianas cometeram a respeito da História e dos personagens nelas retratados. Veja alguns dos filmes que mais deixaram os historiadores irritados:

10.000 A.C

1
Algumas falhas gritantes no filme! Mamutes ajudando nas construções das pirâmides do Egito, mesmo sendo esses animais nativos de terras geladas, como a América do Norte e o Norte da Ásia.
As próprias pirâmides só foram construídas 8 mil anos depois da época do filme, por volta de 2500 a.C.
Outro problema é que a tribo Naku alimenta o personagem D’Leh com pimentas-vermelhas e o presenteiam com milho. Ambos são originários das Américas e não existiam naquela região. E, para terminar, os mamutes e os tigres dentes-de-sabre possuíam tamanho desproporcional no filme. Furada total!

CORAÇÃO VALENTE

2
Coração Valente é um clássico! Ele foi produzido em 1995 e tinha Mel Gibson como diretor e protagonista. Segundo o roteiro, o longa se passa no século XIII e conta sobre o assassinato da esposa de um escocês por soldados ingleses, logo após o casamento. O camponês, então, decide vingar sua mulher e desencadeia uma violenta luta pela liberdade do povo.
Mesmo sendo uma história emocionante, o filme também teve alguns erros históricos. O primeiro deles, por exemplo, foi que o rei Edward I, em sua época, nunca instituiu o recurso da primae noctis, que permitia aos nobres e oficiais ingleses tirarem a virgindade de uma noiva no dia de seu casamento. Além disso, durante o filme, os guerreiros da Escócia usam kilts nas batalhas, mas a vestimenta só foi incorporada aos escoceses a partir do século XVI.
Após a Batalha de Falkirk, a nobre Isabelle se sentiu atraída por Wallace, e eles tiveram um romance. O problema é que, quando ocorreu esta batalha, Isabelle tinha apenas 3 anos de idade. O filme mostra ainda que ela teve um filho com Wallace, Edward III. No entanto, o futuro rei só nasceu sete anos depois da morte de Wallace.

GLADIADOR

3
Outro filme de época que levou milhares de pessoas aos cinemas foi Gladiador, de 2000. Dirigido por Ridley Scott, o filme mostra os dias finais do reinado de Marcus Aurelius. Na trama, o herdeiro do trono, Commodus, se sente traído pelo pai ao notar a sua predileção em deixar o poder para Maximus, o comandante do exército romano na época.
Commodus, então, toma decisões drásticas para se garantir no império e mata seu pai. Em seguida, ele assume a coroa e ordena a morte de Maximus, que consegue fugir e passa a se esconder sob a identidade de um escravo e gladiador do Império Romano.
Conforme o pessoal da História, a produção de Gladiador comete erros básicos. O primeiro, logo de cara, é que o governo de Commodus durou 12 anos e não 2, como foi mostrado no longa. Além disso, relatos provam que ele nunca matou seu pai, Marcus Aurelius.
O filme também mostra batalhas que não aconteceram, catapultas que não foram usadas, uma raça de cão que simplesmente não existia nesta época e inscrições em latim escritas de forma errada. Somado a isso, os oficiais gritam “fogo” para ordenar ação aos soldados com arcos e flechas, mas essa expressão só passou a ser usada com o advento das armas de fogo (óbvio!).

300

4
Uma produção de 2007, comandado por Zack Snyder, o filme conta a história do Imperador da Pérsia, Xerxes, que envia seu exército para conquistar a Grécia. Para a luta, os espartanos são convocados a unir forças com os gregos e, juntos, lutarem contra a invasão dos persas.
A história é forte, mas cheia de erros. Segundo quem entende do assunto, o Conselho espartano era composto por membros com mais de 60 anos de idade. O filme, ao contrário, mostra membros mais jovens, como Theron, na faixa dos 30.
Os soldados de Esparta usavam armaduras de bronze reforçadas e não apenas tiras de couro, como inocentemente aparece no longa. Além disso, historiadores dizem que mais de mil soldados se juntaram ao grupo para enfrentar os persas, não apenas 300, número que dá nome ao filme.

MEMÓRIAS DE UMA GUEIXA

Memoirs Of A Geisha
Memórias de uma Gueixa é um filme de 2005, dirigido por Rob Marshall. Sua trama conta a história de Chiyo, uma menina pobre que é vendida a uma casa de gueixas, em Kyoto, no ano de 1929. Ela começa a ser maltratada pelos donos e também pela principal gueixa do lugar, Hatsumomo, invejosa por sua beleza natural.
Os historiadores apontam também alguns erros de ambientação histórica no filme. Segundo eles, as gueixas são mostradas no longa como prostitutas de luxo. Mas, na verdade, a função dessas mulheres era apenas flertar com os clientes e nunca passavam disto.
Além disso, um dos maiores erros da produção, é que as gueixas são características da cultura japonesa. No entanto, o filme mostra mulheres chinesas desempenhando este papel.

PEARL HARBOR

10
Lançado em 2001, foi dirigido por Michael Bay. O filme conta sobre o período anterior ao bombardeio japonês em Pearl Harbor. Na trama, dois amigos se envolvem de maneira distinta nos eventos que fazem com que os Estados Unidos entrem na 2ª Guerra Mundial.
Dentre os erros históricos desse filme, está a quantidade de aviões que os amigos conseguiram abater, ao entrarem escondidos nas aeronaves de combate. Isso seria impossível na vida real, como mostra a história.
No filme, também, os personagens são enviados para a missão de bombardear Tóquio. Relatos históricos mostram, no entanto, que nenhum piloto de caça foi enviado para esta missão.
Além disso, uma cena mostra o presidente americano Franklin Delano Roosevelt se levantando de sua cadeira de rodas. Isso, conforme os historiadores, nunca aconteceu (e nem poderia).

0 comentários:

Postar um comentário